sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Entrevista com o autor e criador de Dexter, Jeff Lindsay


Autor e criador de Dexter, Jeff Lindsay, fala sobre Dexter e mais coisas na entrevista abaixo...

Dexter, me parece, que se encaixa em uma longa e desonrosa linha de especialmente anti-heróis, geralmente sociopatas sem consciência alguma, e ainda sim convincentes e simpáticos – exemplos de Tim Ripley, Parker dos romances de Richard Stark, até Hannibal Lecter. Vocês estão acostumados com esses personagens ou seriam antecedentes de Dexter? E o que os leitores acham atraentes nesses personagens? (E quando eu digo “leitores”, eu praticamente digo eu.)
JEFF LINDSAY: Você está certo, muito prolixo. As pessoas acham que estou sendo modesto quando digo isso, mas eu não conheço nenhum desses personagens, com exceção de Hannibal Lecter. Eu vi o filme e li o livro. Todos me dizem que tem um gênero, mas – Digo, sério. Serial Killers? O que tem de errado com as pessoas? Eu realmente não sei por que Dexter é tão atraente – Isso me surpreendeu muito!

Dexter é Delicioso marca o retorno do irmão de Dexter, Brian, visto pela última vez no final do livro, Dexter A Mão Esquerda de Deus (2004), e parece que ele continua por perto. Por que você decidiu trazê-lo de volta? Ou isso sempre foi o plano? Ou mesmo, tem um plano maior nos livros?
Não tem um plano a longo prazo. Nem sempre tem um plano pro próximo capítulo, eu realmente admiro P. G. Wodehouse, e quando ele costumava ter roteiros detalhados, tudo planejado. E eu conheço outros autores que podem dizer, “Ah, sim, daqui a dezoito livros, quando eles se casarem...” Eu gostaria de conseguir isso. Mas se você vir meu escritório você entenderá. As vezes eu não consigo nem encontrar a mesa. Nesse momento eu acho que Brian estará por perto, a menos que um piano caia sobre sua cabeça.

Obviamente os romances e a série de TV são bestas diferentes, mas são paralelas entre si, particularmente em Dexter is Delicious, onde, como na 4° temporada da série, Dexter tem um filho, o que o leva a questionar seus impulsos, seu Dark Passenger. Você acha que seus livros e a série vão se encontrar ou se completar? As ideias vão e vem entre eles?
Eu não estou dentro do seriado, então ao meu ver, não. Eu não consigo ver pegando ideias deles. As vezes eu percebo algumas coisas na série que estão no livro, mas pode ser coincidência.

Um dos temas de Dexter is Delicious é canibalismo, possivelmente baseado no infame caso jurídico de 2003 na Alemanha, onde a vítima se ofereceu para ser comida. Isso foi uma inspiração, e por que você escolheu canibalismo como tema?
Eu me lembro do tema, mas não foi uma inspiração consciente. Eu não sei o que me levou a falar de canibalismo; talvez eu estivesse com fome um dia e não tinha nada na geladeira... Bom, eu me interessei e pesquisei. E encontrei uma grande porcentagem de comunidade canibal – sim, realmente tem uma; pior que assassinos em série, não? – um número surpreendente de pessoas realmente querem ser comidas. Desesperadamente. Eles vão a chats e imploram. Eu fiquei fascinado e ao mesmo tempo eu entrei nisso.

[Aqui é onde as minhas perguntas começam a ficar um pouco erradas – isso é a pior coisa de trabalhar em grupo, então estou reproduzindo da maneira exata que Jeff Lindsay recebeu] Tem uma cena no livro onde vítima pai oferece meio milhão para Deborah [irmã de Dexter] se ela eu apontar ele para o predador quando ela o capturar, e seus parceiros policiais subsequentemente revelam que ele ofereceu a mesma coisa para eles anteriormente. É uma grande surpresa pra mim, principalmente por que pareceu muito real, como se policiais de verdade te disseram isso. Foi isso que aconteceu? Você recebe ajuda de policiais na pesquisa para o livro?
Ooh, a gramática está falhando um pouquinho aqui – você está num happy hour? Eu vou querer uma cerveja preta, por favor.
É, vários policiais tem as mesmas histórias. Minha favorita é de um de policial da DEA. Esse é o mais correto e moral cara que eu conheço, e eu o perguntei se ele já ficou tentado em pegar um pouco do tanto de dinheiro que ele lida todos os dias.  Ele me olhou fixamente e disse: “Eu me decidi no primeiro dia. Se eu encontrar um dia encontrar 7 milhões de dólares... eu ligarei pra minha irmã e direi, me encontre no aeroporto, vamos sair daqui.” Ele parou um momento e disse, “Eu já achei 6, uma vez, tive que pensar bem...”

A cidade de Miami é quase um personagem em si no livro; eu estive lá algumas vezes e referencias de tráfico e do calor me parecem muito ligadas a série. O que em Miami você vê que funciona para Dexter? Poderia ser outro lugar?
Miami é um lugar onde cresci, onde aprendi a dirigir. Cidade natal. Eu não sei, que outro lugar poderia ser? Pittsburgh? Ilha de Woght? Dexter é de Miami, e não vai a lugar nenhum.

Tradução: @Gabrielbarros42
Fonte: existential ennui
   

0 comentários:

Postar um comentário

CARREGANDO NOVO FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS. AGUARDE.... SE VOCÊ ESTIVER LENDO ISSO E A PÁGINA FOI TOTALMENTE CARREGADA, NÃO USE ESTE FORMULÁRIO PARA COMENTAR. APERTE F5 E AGUARDE O NOVO FORMULÁRIO CARREGAR

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial