segunda-feira, 18 de abril de 2011

Review 2x07 - That Night, a Forest Grew - Naquela noite uma floresta nasceu


Apesar de ser quase consenso que o 2x06 foi o auge da temporada até agora, o episódio foi bom, começando com o que parece ser uma espécie de fetiche da Lila, metaforizar uma produção de uma obra de arte no sexo. Falando em sexo, pra quem achava que era nisso que se resumia o relacionamento com Lila se surpreende ao ver um jantar romântico em um restaurante à beira do mar.

Cadê o Cody? Cody liga para Dexter, ele sente a necessidade de um pai. Isso levemente comove Dexter, Lila fica chateada com isso e toca fogo em sua casa/estúdio para atrapalhar a apresentação na escola do Cody. Todo fã de Dexter fica mais¹²³¹²³ preocupado com a Lila, com a capacidade de manipulação.

Deb, Deb... Quando enfim achamos que ela está em um relacionamento saudável e estável com um rapaz direito (Não é por que ele se chama Gabriel), ela vai e termina com o pobre homem. Sua cabeça está virada, nas nuvens! Ela não quer saber de como seria estranho, ela simplesmente quer Lundy... Pois é! Talvez tenha sido Chopin que a influenciou...

Eu realmente estou muito ansioso para falar da boa do episódio, mas preciso comentar isso aqui... Lembram da Gail? Sim, a querida mamãe da Rita... Então, nem a própria filha está aguentando a coroa, e num momento de descontrole ouvimos um: “Shut the fuck up”. Confesso, sou louco para gritar assim com minha mãe, tem hora. Além disso, ela a manda embora de sua casa.

O ponto alto do episódio é o desenvolvimento da ‘relação’ entre Dexter e Doakes. O sargento havia recebido uma advertência verbal da LaGuerta no episódio passado, quando Dexter foi decidido a fazer uma reclamação formal contra ele, e apesar disso o motherfucker não larga do pé do nosso herói. Desta vez ele vai atrás de documentos e nota a falta dos que Harry destruiu, do passado de Dexter. O superego de Dex está a ponto de perder o controle, mas enquanto isso não acontece, ele tenta tratar da situação inteligentemente. Sinceramente, se eu tivesse costume de matar pessoas, me orgulharia de mandar Doakes para o fundo do mar, numa corrente marinha... Bom, mas já o protagonista é mais sensato que eu, e resolve entrar no jogo. Padrasto encontra enteada morta na beira da piscina, Dexter faz a análise oralmente de maneira errada de propósito para Doakes errar seu julgamento, usando um inocente como isca. Dex não mata inocentes, mas como todo ‘bom’ psicopata, ele usa quem e o que estiver à disposição e for necessário para que alcance o objetivo desejado. Doakes pressiona o padrasto, o suspeito, enquanto Dexter implanta o relatório oficial dos borrifos de sangue na mesa do sargento. LaGuerta se assusta com a agressividade do sargento, e Dex comenta que o padrasto é inocente, logo ela dá uma dura no Doakes. Bom, talvez você esteja se perguntando: “mas pra que diabos você tá narrando o episódio?” Isso é contexto pro que vem agora, o auge do episódio: Doakes vai confrontar Dexter, e todo fã de Dexter grita algo como ‘MATA ELE DEX!’ Dexter dá uma cabeçada, que mais tarde influenciaria Zidane na copa, derruba Doakes e vai para um lugar visível do departamento e apanha de propósito, o que custa o cargo de sargento.

Pelo menos o caso do Bay Harbor Butcher está abafado... O próximo episódio promete!

Por: @Gabrielbarros42

0 comentários:

Postar um comentário

CARREGANDO NOVO FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS. AGUARDE.... SE VOCÊ ESTIVER LENDO ISSO E A PÁGINA FOI TOTALMENTE CARREGADA, NÃO USE ESTE FORMULÁRIO PARA COMENTAR. APERTE F5 E AGUARDE O NOVO FORMULÁRIO CARREGAR